Sábado, 13 de Março de 2010
A Tabacaria de Alvaro de Campos

 

    TABACARIA

"Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.
 

Janelas do meu quarto,
Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é
(E se soubessem quem é, o que saberiam?),
Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente,
Para uma rua inacessível a todos os pensamentos,
Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa,
Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres,
Com a morte a por umidade nas paredes e cabelos brancos nos homens,
Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada.
 

Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade.
Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer,
E não tivesse mais irmandade com as coisas
Senão uma despedida, tornando-se esta casa e este lado da rua
A fileira de carruagens de um comboio, e uma partida apitada
De dentro da minha cabeça,
E uma sacudidela dos meus nervos e um ranger de ossos na ida.
 

Estou hoje perplexo, como quem pensou e achou e esqueceu.
Estou hoje dividido entre a lealdade que devo
À Tabacaria do outro lado da rua, como coisa real por fora,
E à sensação de que tudo é sonho, como coisa real por dentro.
 

Falhei em tudo.
Como não fiz propósito nenhum, talvez tudo fosse nada.
A aprendizagem que me deram,
Desci dela pela janela das traseiras da casa.
Fui até ao campo com grandes propósitos.
Mas lá encontrei só ervas e árvores,
E quando havia gente era igual à outra.
Saio da janela, sento-me numa cadeira. Em que hei de pensar?
 

Que sei eu do que serei, eu que não sei o que sou?
Ser o que penso? Mas penso tanta coisa!
E há tantos que pensam ser a mesma coisa que não pode haver tantos!
Gênio? Neste momento
Cem mil cérebros se concebem em sonho gênios como eu,
E a história não marcará, quem sabe?, nem um,
Nem haverá senão estrume de tantas conquistas futuras.
Não, não creio em mim.
Em todos os manicômios há doidos malucos com tantas certezas!
Eu, que não tenho nenhuma certeza, sou mais certo ou menos certo?
Não, nem em mim...
Em quantas mansardas e não-mansardas do mundo
Não estão nesta hora gênios-para-si-mesmos sonhando?
Quantas aspirações altas e nobres e lúcidas -
Sim, verdadeiramente altas e nobres e lúcidas -,
E quem sabe se realizáveis,
Nunca verão a luz do sol real nem acharão ouvidos de gente?
O mundo é para quem nasce para o conquistar
E não para quem sonha que pode conquistá-lo, ainda que tenha razão.
Tenho sonhado mais que o que Napoleão fez.
Tenho apertado ao peito hipotético mais humanidades do que Cristo,
Tenho feito filosofias em segredo que nenhum Kant escreveu.
Mas sou, e talvez serei sempre, o da mansarda,
Ainda que não more nela;
Serei sempre o que não nasceu para isso;
Serei sempre só o que tinha qualidades;
Serei sempre o que esperou que lhe abrissem a porta ao pé de uma parede sem porta,
E cantou a cantiga do Infinito numa capoeira,
E ouviu a voz de Deus num poço tapado.
Crer em mim? Não, nem em nada.
Derrame-me a Natureza sobre a cabeça ardente
O seu sol, a sua chava, o vento que me acha o cabelo,
E o resto que venha se vier, ou tiver que vir, ou não venha.
Escravos cardíacos das estrelas,
Conquistamos todo o mundo antes de nos levantar da cama;
Mas acordamos e ele é opaco,
Levantamo-nos e ele é alheio,
Saímos de casa e ele é a terra inteira,
Mais o sistema solar e a Via Láctea e o Indefinido.
 

(Come chocolates, pequena;
Come chocolates!
Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates.
Olha que as religiões todas não ensinam mais que a confeitaria.
Come, pequena suja, come!
Pudesse eu comer chocolates com a mesma verdade com que comes!
Mas eu penso e, ao tirar o papel de prata, que é de folha de estanho,
Deito tudo para o chão, como tenho deitado a vida.)
 

Mas ao menos fica da amargura do que nunca serei
A caligrafia rápida destes versos,
Pórtico partido para o Impossível.
Mas ao menos consagro a mim mesmo um desprezo sem lágrimas,
Nobre ao menos no gesto largo com que atiro
A roupa suja que sou, em rol, pra o decurso das coisas,
E fico em casa sem camisa.
 

(Tu que consolas, que não existes e por isso consolas,
Ou deusa grega, concebida como estátua que fosse viva,
Ou patrícia romana, impossivelmente nobre e nefasta,
Ou princesa de trovadores, gentilíssima e colorida,
Ou marquesa do século dezoito, decotada e longínqua,
Ou cocote célebre do tempo dos nossos pais,
Ou não sei quê moderno - não concebo bem o quê -
Tudo isso, seja o que for, que sejas, se pode inspirar que inspire!
Meu coração é um balde despejado.
Como os que invocam espíritos invocam espíritos invoco
A mim mesmo e não encontro nada.
Chego à janela e vejo a rua com uma nitidez absoluta.
Vejo as lojas, vejo os passeios, vejo os carros que passam,
Vejo os entes vivos vestidos que se cruzam,
Vejo os cães que também existem,
E tudo isto me pesa como uma condenação ao degredo,
E tudo isto é estrangeiro, como tudo.)
 

Vivi, estudei, amei e até cri,
E hoje não há mendigo que eu não inveje só por não ser eu.
Olho a cada um os andrajos e as chagas e a mentira,
E penso: talvez nunca vivesses nem estudasses nem amasses nem cresses
(Porque é possível fazer a realidade de tudo isso sem fazer nada disso);
Talvez tenhas existido apenas, como um lagarto a quem cortam o rabo
E que é rabo para aquém do lagarto remexidamente
 

Fiz de mim o que não soube
E o que podia fazer de mim não o fiz.
O dominó que vesti era errado.
Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.
Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho,
Já tinha envelhecido.
Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado.
Deitei fora a máscara e dormi no vestiário
Como um cão tolerado pela gerência
Por ser inofensivo
E vou escrever esta história para provar que sou sublime.
 

Essência musical dos meus versos inúteis,
Quem me dera encontrar-me como coisa que eu fizesse,
E não ficasse sempre defronte da Tabacaria de defronte,
Calcando aos pés a consciência de estar existindo,
Como um tapete em que um bêbado tropeça
Ou um capacho que os ciganos roubaram e não valia nada.
 

Mas o Dono da Tabacaria chegou à porta e ficou à porta.
Olho-o com o deconforto da cabeça mal voltada
E com o desconforto da alma mal-entendendo.
Ele morrerá e eu morrerei.
Ele deixará a tabuleta, eu deixarei os versos.
A certa altura morrerá a tabuleta também, os versos também.
Depois de certa altura morrerá a rua onde esteve a tabuleta,
E a língua em que foram escritos os versos.
Morrerá depois o planeta girante em que tudo isto se deu.
Em outros satélites de outros sistemas qualquer coisa como gente
Continuará fazendo coisas como versos e vivendo por baixo de coisas como tabuletas,
 

Sempre uma coisa defronte da outra,
Sempre uma coisa tão inútil como a outra,
Sempre o impossível tão estúpido como o real,
Sempre o mistério do fundo tão certo como o sono de mistério da superfície,
Sempre isto ou sempre outra coisa ou nem uma coisa nem outra.
 

Mas um homem entrou na Tabacaria (para comprar tabaco?)
E a realidade plausível cai de repente em cima de mim.
Semiergo-me enérgico, convencido, humano,
E vou tencionar escrever estes versos em que digo o contrário.
 

Acendo um cigarro ao pensar em escrevê-los
E saboreio no cigarro a libertação de todos os pensamentos.
Sigo o fumo como uma rota própria,
E gozo, num momento sensitivo e competente,
A libertação de todas as especulações
E a consciência de que a metafísica é uma consequência de estar mal disposto.
 

Depois deito-me para trás na cadeira
E continuo fumando.
Enquanto o Destino mo conceder, continuarei fumando.
 

(Se eu casasse com a filha da minha lavadeira
Talvez fosse feliz.)
Visto isto, levanto-me da cadeira. Vou à janela.
O homem saiu da Tabacaria (metendo troco na algibeira das calças?).
Ah, conheço-o; é o Esteves sem metafísica.
(O Dono da Tabacaria chegou à porta.)
Como por um instinto divino o Esteves voltou-se e viu-me.
Acenou-me adeus, gritei-lhe Adeus ó Esteves!, e o universo
Reconstruiu-se-me sem ideal nem esperança, e o Dono da Tabacaria sorriu."
 

 

 

 

 

 

 

 

Álvaro de Campos, 15-1-1928

 

 

 

 

retirado daqui

 

 

 

 

P.S. e hoje sinto-me como ele se sentiu ha 82 anos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




Terça-feira, 7 de Abril de 2009
quanto custa......???

 

 

" Sucesso é conseguir o que se quer

Felicidade é aproveitar o que se conseguiu"

Warren Buffet

 

                             "Você pode conseguir quase tudo que quiser,

                                desde que esteja disposto a pagar o preço

 

                                                  O preço do dinheiro é o trabalho

                                                  O preço do sucesso é a dedicação

                                                  O preço da sabedoria é a reflexão

                                                  O preço da liberdade é a responsabilidade

                                                  O preço da amizade é o companheirismo

                                                  O preço do sexo é amor

                                                  O preço do amor é doação"

 

 

 

Regras para encontrar um amor:

 

- nunca ter sexo no primeiro encontro

os homens sempre desconfiarão de uma mulher que não resiste á primeira investida

e não a considerarão como futura companheira, eles têm necessidade de persseguir a presa

um longo cortejamento é o preço a pagar para construir uma relação estavel e duradora

 

- nunca falar de ex-relacionamentos

todos detestam serem comparados ou escutar maravilhas ou vulgaridades de desconhecidos/as que partilharam o corpo de quem ainda não conhecemos

 

- discutir ideias em vez de falar sobre pessoas

distinguem-se os inteligentes dos mediocres

 

Mas porque havemos de andar tão preocupadas em encontrar um amor se este surge quando menos esperamos.......................

 

e o importante é aproveitar a ocasião, o momento e fazer o que sentimos que devemos fazer

se tudo tem um preço

pagaremos pelas nossas atitudes e de nada servirá seguir regras

 

 

 - quanto custa o teu abraço????

 

 

 

 

 


sons: "take a breath" - David Gilmour


Quinta-feira, 13 de Dezembro de 2007
come-me!!!

 

 

 

 

 

 

 

 

"Se me queres comer come-me de uma vez. Não te fiques pela metade.

Sem metade eu não sou nem tão pouco me dou. Não me transformes em restos.

Come-me com vontade, assim a frio, mesmo que eu não saiba se choro ou se rio.

Espeta-me as tuas garras e devora-me sem piedade, não temas pela saudade, estarei dentro de ti.

Rói o mais duro de mim e saboreia as minhas fraquezas, engole alegrias, fracassos e tristezas.

Bebe-me o sangue, o olhar, o pensamento, o riso, o juízo, o ser, o estar, o querer amar.

Rasga a minha pele com os teus dentes, mesmo que o sal não esteja a gosto.
 
Come-me o desgosto que é querer e não ter a quem me dar, agora que me tens e me dou ao teu paladar.

Trinca-me as mãos que escrevem coisas que eu não percebo e que recebo do além vindas de não sei quem.

Se me queres comer, come-me depressa, antes que o arrependimento chegue, fale e aconteça.

Come-me.."*
*
*
*
*
*
*
* - de alguem com fome e não resisti em partilhar
*
*

sinto-me: solidaria


Quinta-feira, 27 de Setembro de 2007
Perder e amar

 

 

Quem já perdeu tantos amigos como eu, tem medo de não aproveitar o melhor que cada segundo da vida nos proporciona

 

O meu melhor amigo, foi meu confidente e conselheiro

a única pessoa de quem escutei conselhos.

Conheci-o como meu chefe, era o meu mentor, protector

Era casado e tinha 6 filhos, adorava a sua grande familia, eu era mais uma filha

Durante 15 anos acompanhou a minha vida profissional e emocional

Chorei no seu ombro, chorou no meu

ri-me das suas parvoíces, riu-se das minhas

contava-me as suas escapadelas, contava-lhe os meus desgostos

 

Uma manhã recebo um telefonema de uma filha

tinha adormecido no seu sofa favorito

embolia cerebral fatal

em vez de estar a almoçar com ele,

como tinhamos combinado 3 dias antes

estava a beijar sua testa fria

 

- O meu outro melhor amigo

foi meu prof na faculdade

era a sua melhor aluna

a sua disciplina a minha favorita

 

Depois de terminar o curso

continuamos a nos encontrar

a discutir Arte e Musica e Esoterismo e um milhão de coisas mais

 

Foi a pessoa mais inteligente que conheci

Tinha grande admiração por ele

a nossa amizade sobreviveu a dois divorcios

e a muitas contrariedades

 

Frequentemente o visitava ou saíamos

recordo muitas loucuras noctívagas

além de homem culto era um boémio

Tudo o que conheço da vida nocturna da capital o devo a ele

 

Quando não nos encontravamos, telefonava

punhamos a rotina em dia e prometiamos mais uma saida

tal como aconteceu numa noite sem lua

No dia seguinte recebo um telefonema da namorada

Ele tinha adormecido na sua cama

Ataque cardíaco fulminante

 

Na noite em que deviamos estar a correr os novos estaminés da cidade

molhava sua barba com as minhas lagrimas

 

- Minha mãe foi a uma consulta de rotina e não voltou

 

- Minha amiga de infãncia partilhou um gelado no jardim

e nunca mais a vi...........................

 

 

A coisa mais certa da vida é a Morte

 

 

Depois de ter perdido tantos amigos não quero perder um segundo sem ti

 

 

O tempo arrasta-se e jamais se recupera

Já perdi tanta coisa

tenho tanto medo de te perder sem nunca te ter tido

 

 

 

Porque me despertas se não tens intenções de me saciar?

 

 

 

 

 

 

 

 

 


sinto-me: sozinha e acompanhada


Todos temos.......

 

 

 

"Na vida todos temos

*

*

um segredo inconfessável,

*

*

um arrependimento irreversível,

*

*

um sonho inalcançável

*

*

e

*

*

um amor inesquecível"

 

- Diego Marchi

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




Quarta-feira, 26 de Setembro de 2007
os meus machos

 

 

- O meu primeiro macho foi um Pastor Alemão todo negro

por isso diziam que era um Lobo da Alsacia

Em adulto pesava 59kg

 

Ele era de uma vizinha, vivia amarrado á casota

um dia o filho dela, veio mostrar-me um bicho de 6 meses, bolinha de pelo negro

"Cuidado ele é muito mau, a minha mãe tem de lhe dar com a vassoura, para ele obedecer!"

 

Olhei aquela bolinha, baixei-me e dei-lhe as minhas mãos para ele as cheirar,

deixei de escutar os avisos sobre ele morder....

os olhos eram de um castanho escuro brilhante

eu via um sorriso neles

Foi amor á primeira vista

Fiquei com ele

Eu era o seu mundo

 

Nunca usei trela mas sempre me seguia, mentira, sempre me acompanhava

era a minha sombra, o meu melhor amigo

Escusado será dizer que ele não admitia ninguem ao meu lado

Nos encontros de cafe, á minha volta havia um espaço de 2 metros

aos meus pés um 'monstro' negro

Eu tinha 16 anos

 

Morreu 2 anos depois com leishmaniose (transmitido pela picada de um mosquito)

 

- Já casada, o marido trouxe uma coisa negra com 15 dias

era orfão, fruto de um cruzamento de raças não identificadas

Alimentei-o a biberão

Todas as noites esperava que eu me deitasse,

vinha junto a mim,

lambia-me as mãos e enroscava-se aos meus pés, no chão.

Sabia contar até 3

 

Morreu com 6 meses atropelado numa tarde de Outono

 

- Para minimizar o desgosto ofereceram-me um Setter Gordon,

cachorro patético, desengonçado

que se transformou num cão magnifico,

Belo, inteligente como nenhum outro

 

Tinha este 6 meses de idade, retirei um Pastor Alemão de um pseudo-dono,

este também com 6 meses

 

- O novo Pastor Alemão, o #2, vinha com uma perna partida e com esgana

 

Dois anos depois, totalmente recuperado

numa ida ao pinhal,

em vez de subir para o jeep

abraça-me e... desaparece na noite

 

- Para fazer companhia ao Setter e á dona melancólica

comprei outro Pastor Alemão, o # 3,

Com 4 meses mandei-o capar!!!

 

- O Setter morreu com 13 anos (um mês depois de o ter deixado com o ex),

de saudades !!???

 

- O Pastor foi assassinado um ano depois,

por um idiota que dizia que cão velho comia muito.......

e deu-lhe um tiro na cabeça

Pesava 50kg e nunca aceitou comida de outra mão senão a minha!

 

 

- Quando re-organizei a minha vida,

comprei outro Pastor Alemão, o # 4

 

Para lhe fazer companhia,

porque a minha vida profissional obrigava-me a muitas horas fora de casa,

 

- Comprei outro Pastor Alemão, o # 5, mas cruzado com Husky

Aos 4 meses mandei-o castrar

 

 

 

foto de um dos meus fieis Pastores Alemães

 

 

 

- Ter dois machos no mesmo canil dá problemas

quando as cadelas estão com cio,

eles sentem e uivam e deixam de comer e... lutam entre si

 

Ora um cão sente o cheiro da cadela a muitos kilometros de distância

Para evitar lutas, para evitar a frustração do macho,

para evitar que outro cão me abandonasse para ir procurar cadela.

a solução é castrar um deles

 

Desta vez dei-me mal

porque o capado é muito mais vadio que o outro

pelo cruzamento de raças, é menos obediente é mais traquinas, mais libertino

Se não o tivesse castrado além de ter um montão de "netinhos" por aí

ainda maltrataria o mais velho

porque é um bicho super meigo mas muito territorial

 

Enquanto que o mais velho é tranquilo, obediente, inteligente, belo

e todos os adjectivos inerentes á raça lhe são bem aplicados

o mais novo... bem

só me dá preocupações ou talvez nem tanto (como já referi anteriormente)  ..........

 

 

Mas quando saio com ambos pela trela...

faço um vistaço hihihi

 

 

 

 

 

 


sinto-me: cuidado com o cão


Domingo, 16 de Setembro de 2007
Tentação!!!!!

 

Escolher o que vestir é sempre um trilema para qualquer mulher.

Mas, saber qual o objectivo a que nos propomos, facilita a decisão!!!

 

 

 

Confirmei o nº da porta, sim ainda me recordava do andar

Premi o botão da campainha.

O seu sorriso estava igual.

os seus olhos redescobriam o corpo á sua frente,

as mãos indecisas sobre o que fazer,

Avançou um passo.

o abraço foi inconsciente, forte, doce, preciso

os seus labios quentes

o suspiro de felicidade

 

Cheirava a alhos, a manteiga, carne...

uhmm fez a sua especialidade... para mim!!

 

Da sala a luz bruxuleante de velas pediam para avançar

a musica era... a minha favorita ('não se esqueceu do que gosto!')

 

A decoração era a mesma, o saxofone sobre o sofa

'irias tocar de novo... para mim???'

'necessito que toques??? Quero que toques???

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

- Continua a chamar de tentação a todas as mulheres que conheces,

continua a foder a legitima e/ou a quem te aparece.....

continua com as tuas birrinhas de 'eu quero'

 

Sou tua enquanto me quiseres mas....  não me queres só a mim e

eu também tenho as minhas tentações!!!

Não te sou nada, nem tua amante me consideras, não é??!!!!

 

 

 

 

 

 


sinto-me: tentada a ser infiel


Domingo, 9 de Setembro de 2007
uma noite......

 

Embrenhada nos meus pensamentos nem me apercebi da tenue luz que vinha do quarto.

Quando abro o portão, tento coordenar o pensamento e acreditar que o volume escuro parado á minha porta era ....... o seu corcel.

O motor estava frio.

 

Mil perguntas revoltavam-se no pensamento, perguntas que jamais faria.

Quem quer escutar mentiras, faz perguntas, essa eu tinha aprendido há muitos anos.

 

 

Entro, tentando controlar meu coração que queria saltar do peito, o endurecer dos mamilos, o humido que surgira entre as minhas pernas. que tem este homem que basta pensar nele e, altera todo meu corpo!!!???

 

Não ha ruidos, a suave luz de uma vela indica que estás no quarto.

Espreito. Sorrio. A visão do teu corpo aumenta o estado do meu.

a tua respiração é suave

 

Deixo-me ficar a olhar para ti, escutar tua respiração, ver-te,

perscruto teu corpo com meu olhar.

 

Dispo-me e subo para cima de ti. roço o meu corpo no teu, suavemente

Despertas devagar e parece-me sentir um sorriso

com uma mão apalpas-me a perna e deixo-me escorregar para o teu lado

Puxas-me para debaixo de ti

abraças-me e beijas-me o pescoço

afundo-me no teu corpo

 

"Surpresa" - sussurras ao meu ouvido

"Adoro surpresas" - passo a mão no teu cabelo, nas tuas costas, no teu rabo

uhm como adoro esse rabo...

quero acreditar que estás aqui

minha perna entre as tuas

senti o teu desejo

tu sentes o meu

 

Elevas-te um pouco para possuires meu corpo

Desejo-te tanto

desejas-me tanto

 

O tempo não apagou o nosso desejo

Os corpos encaixam-se perfeitamente

com o mesmo ritmo

com o mesmo querer

buscam-se

saceiam-se

 

 

Desperto sentindo teu cheiro mas .... não estás!

 

 

 

 

 

 

 


sinto-me: sonhando???


Segunda-feira, 27 de Agosto de 2007
medos vs adrenalina - Parte II

 

 

 

- Mas afinal tenho medo de quê??? controlo ou não controlo as minhas sensações??? tinha passado tanto tempo a desejar enfrentar os meus medos para.... perder!!! para ficar na lagoa???  No way!!!!!

 

Atrevi-me a olhar uma terceira vez  mas para procurar um local para apoiar os pés e... comecei a descer a parede!!!!

 

Confesso que foram passos muito arrastados mas... quando comecei a sentir a brisa, a sensação de estar a meio da cascata, suspensa no ar, controlando a velocidade de descida, gritei, mas gritei de alegria, ria-me do meu ex-medo!!! Venci!!! o primeiro rappel pelo menos!! lol

 

Fui recebida com muita alegria por todo o grupo, o que me deu muita força para continuar (também ja não podia voltar para trás!!! lol) Olhei para cima. Bolas eu tinha descido aquela parede!!!

 

 

 

 

 

Nadei naquela segunda fantastica lagoa e fui a primeira a querer fazer o rappel na segunda cascata!!! e esta de 35 metros!!!

 

Uma parede de 35 m de altura coberta de agua que salpicava forte. Como tinha feito na primeira, parei a meio para a sentir em todo o corpo, tocar aquela força e molhar a garganta hihihi Ali só podia contar comigo, dependia de mim descer, dependia de mim continuar.

 

Valeu a pena descer aquela segunda cascata, a lagoa era ainda mais espectacular

 

 

 

 

Mas ainda tinha medos para vencer!!!

 

e o ultimo rappel não estava nos meus planos!!!

 

Era uma parede com 25 metros mas separado por um mini lago de aguas turbulentas, daí continuava com uma parede totalmente vertical que, terminava numa lagoa profunda que parecia dentro de uma gruta. quero dizer: águas mais escuras que aquilo brrr, era obrigada a descer para dentro daquela agua e, cruzar todo o lago, se queria sair dali

 

As 3 paredes e a vegetação tapavam a luz do sol, o monitor dizia que as aguas eram profundas, muito profundas, que quem queria podia saltar do mini lago

 

Tou tramada!! É aqui que eu fico!!!

 

Observei os 3 primeiros, a dificuldade em se equilibrarem no mini-lago e tornarem a se erguer para passar ao patamar da cascata propriamente dita.

Não tinha muitas opções, aliás não tinha opções!!!

não queria ficar ali!!!

 

De novo a corda no mosquetão, escutar os conselhos do monitor, não esquecer de nunca tirar a mão direita da corda.

 

Fiz a primeira parte, consegui apoiar os pés para a segunda descida.

Mas a meio da parede, a cascata era demasiado pesada. a agua entrava nos olhos, empurrava-me, desafiava-me, não conseguia respirar, sufocava debaixo da agua, apoiei os pés na parede, atirei as costas para trás e ... larguei a corda!!!

 

 

Caí naquela agua gelida, mesmo com a protecção do fato dava para a sentir, mergulhei eternamente para subir sem conseguir controlar a respiração, a corda tinha-se enrolado numa perna e como estava molhada não corria no oito

 

ainda sufocava e a corda puxava-me e tinha de me libertar e tinha de respirar e tinha de sair dali sentia o coração a bater forte, não conseguia controlar a respiração

 

em meu auxilio veio o monitor, conseguiu abrir o meu mosquetão e libertar-me da corda

 

Nadei com todas as forças que consegui reunir, sem querer pensar que estava em aguas escuras e que o lago era enorme

quando cheguei á margem gatinhei para uma rocha ao sol

estava ofegante

tremia de medo, de frio, de cansaço

 

Mas disposta a voltar a fazer tudo de novo!!!!

 

 

Canyonnig no rio Teixeira, dois dias para recordar, local magico, encontro de amizade, de união, desporto radical para emoções fortes e gente de coragem, encontro com a Natureza, encontro com o nosso EU.

 

Adorei!!!

 

 

 


sinto-me: vencedora!!!


Domingo, 26 de Agosto de 2007
medos vs adrenalina - Parte I

 

 

 

Tenho andado ocupada, tentando fazer coisas diferentes, desafiar o quotidiano

 

Tomei consciência que tenho acumulado medos ao longo da vida mas que não quero que eles comandem minha vida

Afinal eu sou aquela que deve comandar a maneira de encarar a vida e as sensações do meu corpo!!!

Mais uma vez o destino me diz que era tempo de fechar um novo ciclo mas não sem esforço e sem a tomada de consciência do que estava errado

 

Tenho medo de alturas, de saltos e de aguas escuras

Sinto vertigens, pavor, terror

O nó no estomago, a garganta seca, o coração acelera, o suor invade a testa, tremor nas mãos e nas pernas... absoluto descontrole de meu corpo

Elevadores panorâmicos são uma tortura, escadas rolantes terror absoluto, elevar-me no ar para assentar os pés em aguas escuras.. absolutamente fora de questão

Não podia continuar a sentir-me assim mas...

 

Inscrevi-me numa agência de desporto radical, esperei que houvesse um grupo suficientemente grande para iniciar o combate.

Eram 12 pessoas e dois monitores. Idades entre os 17 e 46 anos, 60% do grupo nunca tinha feito rappel. Os monitores não estavam muito tranquilos mas todos estavamos predispostos a experimentar, a chegar ao fim!!!

 

Canyonning é descer um rio, desafiar as pedras, as rochas, a vegetação, descer o leito do rio, como parte dele.

 

Começamos por caminhar no topo da conduta de agua, num tunel que cada vez era mais baixo e escuro; claustrofobia não era um dos meus medos, por isso aquela primeira prova eu superei-a sem esforço; era-o para outros que a venceram mostrando a palidez do rosto e o tremor das mãos, á saida do tunel

Descemos a serra para chegar a uma primeira lagoa de aguas limpidas e quentes. Os fatos de 3mm protegiam a sensação de entrar na agua mas, mais tarde agradeceriam ele ser assim grosso e forte.

Com sol quente esperei a minha vez de descer a primeira parede, a primeira cascata.

 

Deitei-me na laje, observando os seus rostos, esperei controlando a respiração, eu tambem haveria de ter uma corda a suster o meu corpo, tambem haveria de ser a minha vez de dar um passo no espaço vazio

atras de mim ainda havia um jovem de 34 anos que mostrava a consciência do seu medo, ele tambem transpirava e bufava e passava as mãos na cara e nos cabelos, em nada contribuia o seu nervosismo para acalmar o meu. Mas ele e todos os outros tinha amigos, eu estava sozinha, não conhecia ninguem, ninguem me conhecia, ninguem sabia da minha luta interna e eu não o queria mostrar a ninguem!

 

"Menina agora tu" - era o monitor a chamar-me. Levantei-me lentamente, expirei todo o ar dos meus pulmões e inspirei todo o oxigenio do mundo

A corda era grossa, sustinha 3000kg, as estacas estavam bem fixas na rocha, o salto seria de 20 metros.

Virei-me de costas para o abismo, deixei que ele prende-se a corda ao mosquetão do meu arnês. Estava ainda presa á estaca da rocha.

 

Mas o pé recusava-se a recuar, as costas recusavam-se a deitarem-se para o vazio.

atrevi-me a olhar de soslaio onde iria assentar os pés e... havia nada!!

 

Os olhos deixaram de ver, meu estomâgo encolheu, a garganta secou totalmente, o coração batia forte como querendo fugir comigo dali pra fora!!! Tudo deixou de ser visivel á minha volta.

 

Queria mesmo era ficar naquela lagoa quente á espera do resto do grupo. Ninguem me conhecia para exigirem explicações, para me apontarem como cobarde ou para sorrirem e me darem força para continuar.

Estava só eu comigo mesma e aquela lagoa era muito mais atraente que todo o resto do rio.

 

O monitor olhava-me e disse:

"Tens medo!?"

"Não!" - respondi

"Podes sempre ficar aqui, á espera, mas se desceres agora já não podes voltar para trás!"

 

"Tens medo? - perguntou o amigo do outro que ainda tremia mais que eu

"Sim tenho medo!" respondi ao mesmo tempo que pensava: mas tenho medo de quê? se acredito que nada se passa sem razões, se não tenho medo de morrer; sim tenho medo mas medo de quê? Atrevi-me a virar a cara para a direita, para baixo, a olhar de novo para a parede e a controlar o desfoque da retina, a secura da garganta; era mais facil tirar a corda e nadar na lagoa de aguas tranparentes, o resto do grupo que descesse o leito do rio!!!

 

 

 

 

.

 

 Em baixo, algures, o resto do grupo esperava que eu me decidisse, que eu avançasse ou recuasse.

 

 

 

 


sinto-me: com medo


mimos (74) & memoires
moi
ser Infiel é:

Subscribe to Infiel

quantos infieis
CURRENT MOON


My blog is worth $30,485.16.
How much is your blog worth?

sonhos e dissertações

A Tabacaria de Alvaro de ...

quanto custa......???

come-me!!!

Perder e amar

Todos temos.......

os meus machos

Tentação!!!!!

uma noite......

medos vs adrenalina - Par...

medos vs adrenalina - Par...

se natal é qd se ker.... :)

o que me agrada

FLORES???? NÃO Á VIOLÊNCI...

Software para o Coração.....

Atraiçoada

Infiel

Desistir/Recomeçar

Palavras

Venha dai, está convidado...

Sexualidade feminina do s...

Gratidão....

Porque hoje é domingo - v...

orgasmos mentais

Dezembro 2011

Dezembro 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

encontrar neste blog
 
Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
15
16
17

18
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


mais comentados
39 comentários
27 comentários
23 comentários
22 comentários
17 comentários
Atraiçoada - o livro
Support independent publishing: Buy this book on Lulu.></a>
<div class=
subscrever feeds

RSSPosts

RSSComentários

RSSTag momentos